Quiche de atum de legumes

Uma quiche sem base – sem massas folhadas, quebradas, areadas e afins, e que por isso é feita à minha medida (por não gostar das ditas), e à medida de quem quer cuidar da linha com opções mais equilibradasNão sou nem nunca fui amante de massa folhada ou quebrada. Apesar de adorar pastelaria e bolos (que inevitavelmente levam manteiga), tenho uma relação de amor-ódio com as manteigas e margarinas, tanto que não gosto de torradas com manteiga e croissants e folhados dão-me a volta ao espírito.

Cá em casa, aos Domingos, não se janta. Há uns anos a minha mãe instituiu o Domingo como o dia do descanso do cozinheiro de serviço (que era ela); por isso o jantar de Domingo consiste sempre numa coisa leve e pouco elaborada. Mas de vez em vez lá acontecia uma quiche, que se fazia durante a tarde e que se comia à noite já arrefecida.
De adaptação em adaptação, fomos reduzindo a quantidade de natas até à inexistência, aumentando os ovos, a maizena, juntando cada vez mais vegetais – e certo dia decidi que a massa não estava ali a fazer nada. E funcionou.
[Receita escrita em colaboração com a Beauti – ver publicação original aqui]

Quiche de atum e legumes
350g de legumes picados (alho francês, pimentos, courgette,
cenoura, abóbora, etc);
2 latas de atum
4 ovos
2 col.sopa de farinha de arroz ou de maizena
½ chávena de leite
Creme vegetal para cozinhar
Sal, pimenta e ervas aromáticas à escolha
2 col.sopa de cebolinho picado

Pré-aquecer o forno a 200ºC;

Picam-se os legumes e levam-se a refogar em creme vegetal
para cozinhar, até que amoleçam;
Junta-se o atum, tempera-se, e deixa-se cozinhar por 5
minutos. Numa taça à parte, batem-se os ovos com o leite e a farinha.
Com cuidado, envolve-se o preparado dos legumes e dos
vegetais, e por fim junta-se o cebolinho. Colocar o preparado numa forma de
silicone, e levar ao forno até que a quiche esteja dourada (testar com um
palito se a quiche está cozida por dentro).

 

Deixar arrefecer antes de desenformar. Acompanhar com uma
salada variada e colorida.

 

6 thoughts on “Quiche de atum de legumes

  1. Eu amo atum, qualquer receita com o dito-cujo chama toda minha atenção!! O aspecto ficou lindo, adorei a decisão de sua mãe sobre os Domingos, uma decisão bem justa!!
    Beijo e ótimo final de semana pra ti! =)

  2. Uau, a letra do texto acabou de passar por 3 fases distintas agora mesmo, enquanto carregava: "normal", "floreado" e "amassado" (não conhecias estes tipos de letras, a sério que não? Procura no word, de certeza que aparecem… haha :P)
    Que estranhooo, escreves duas mini-histórias diferentes para cada lado 😛
    Quando era mais pequena o domingo era dia de comida de forno mais virada para o pré-fabricado, tipo empadões de pacote e isso… Tinham uma crosta mesmo boa, agora que me lembro! Nada a ver com o empadão-plasticina (juro que sabia a plasticina! Nem cheirar conseguia! (pronto, plasticina não cheira assim tão mal, mas plasticina amarela com puré de batata misturado (tem de ser amarela, é obrigatório))) da cantina da minha 2a escola. Ou, mais tarde, a sequela sopa-de-cantina-a-saber-a-puré-de-cantina (que, já agora, sabe a plasticina. (Amarela.)) 😉
    Como é que tu fazias para comer a quiche se não gostas de massa folhada? É só uma aversão recente? 😛
    Quanto à manteiga tenho uma relação estranha. Eu cresci com manteigas meias insossas, porque a minha mão e avó têm a "mania das dietas" e o sal OBVIAMENTE que engorda. (A sério, isto origina discussões engraçadas. "Uma vez deixei de comer sal e perdi 17 kg" – minha avó. "O. Sal. Não. Tem. Calorias." – eu, claro 😉 "Eu. Perdi. 17. kg." "Isso. Era. Porque. Não. Gostavas. Da. Comida. Insossa." "Estas. Modernices. Agora. Sinceramente. Vem-me. Esta. Dizer. Que. O. Sal. Não. Tem calorias." –> os pontos servem para demonstrar o quão calma e civilizada foi a discussão (mais um debate de ideias)… ;))
    Continuando, muitos anos de mim nasceu o meu irmão e passamos a usar manteiga sem sal, entretanto passando por uma que a minha mãe adorou porque só tinha 150 kcal por 100g (a água também não tem calorias, surpresa!) e eu passei a gostar mais.
    Ah, a minha avó punha-me manteiga nas sandes de fiambre que eu levava para a escola na primária e depois sabia-me a cebola e não me agradava muito.
    Maaaas num minimercado à beira da minha casa há uns croissants MESMO bons super-pincelados com manteiga e com dobras gordurosas dos lados hahaha
    E… OHMEUDEUS O QUE É QUE ESTÁ AÍ A FAZER O PACMAN?!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *