Tarde de Limão Merengada (1 ano depois)

Há um ano esta foi uma das receitas que inaugurou o blog, uma tarde de limão, colorida, sumarenta e deliciosa, que deu cor e brilho a um dia de Outono.

É uma tarde de limão e não uma tarte – porque quem me deu a receita, a minha querida amiga Rita, cometeu a gaffe de escrever “tarde” em vez de tarte. E assim ficou, não só como homenagem a ela (que também é uma amante da cozinha) mas porque acho que esta tarte encerra em si uma tarde Outonal de calor.
De recheio com cores quentes, como o sol que vai aparecendo e raiando pelo meio das nuvens brancas, fofas e volumosas como o merengue que cobre esta tarte, contrastando com a aspereza dos ventos frios e cortantes. Camadas diferentes de cores, sensações e temperaturas, que fazem das tardes de outono um regalo.
Quando publiquei esta receita estava satisfeita – a receita é de facto espectacular, a fotografia não estava mal de todo, e achei que era uma boa maneira de dar início às actividades.
Olhando para trás acho que faltava a capacidade de transmitir melhor o sentimento por detrás desta tarde – como ela me faz lembrar tanto uma grande amiga, como as camadas se complementam na perfeição – a base crocante, o creme macio e o merengue branco que parece uma nuvem de tão fofo.
Fiz aquela tarte na véspera de ter a ideia de criar o blog, e tirei uma fotografia para atazanar os meus amigos (“Vejam, vejam  o que eu fiz e que não vão provar”), e para mostrar à Rita como me tinha saído a recriar esta tarte.
E como faziam falta mais fotografias! As emoções não se transmitem só pelas palavras – as imagens valem tanto ou mais se forem cativantes. Pode parecer que sou picuinhas (e sou) – gosto de boas fotografias, que quase me fazem sentir os cheiros e o sabor do que estou a ver, cujas cores saltam do écran: no fundo fotografia que queremos ver mais e mais, para além do que foi fotografado. E neste aspecto estou cada vez mais exigente (porque já o sou normalmente em tudo o que faço).
Não digo que tenho as fotografias mais fantástica da internet, que sou uma fotógrafa “e pêras” e que deviam aprender comigo – não, nada disso! Mas esforço-me: tenho uma máquina digital super banal, não tenho espaço disponível em casa para fotografar como quero, mas a vontade está lá. Pesquiso, inspiro-me, tento aprender e olho para os grandes – e ambiciono lá chegar.
A máquina não é profissional? O truque está na luz, na temperatura e nos contrastes. Não temos espaço na cozinha? Arranjamos espaço no quarto [sim, esta tarte foi fotografada no meu quarto]. Se temos vontade já estamos no bom caminho.
Podem ver a receita, como saiu aqui, há 1 ano. Há evolução e estou feliz por isso. Olho para trás e vejo que comecei atrapalhada, a querer muitas coisas (e coisa nenhuma em particular). Cresci, tenho objectivos e fotografias melhores (ando tentada a apagar posts antigos, mas estou a conter-me [aquilo é vergonhoso!]).
Estou mais coerente, mais objectiva, mas a essência mantém-se. Cresci!
Tarde de Limão Merengada
Feita de véspera e refrigerada
(Primeiro que tudo, e sempre importante para fazer uma tarte, pré aquece-se o forno a 190ºC, com a ventilação)
Depois de amassada numa superfície enfarinhada (fazer preferencialmente não vestindo nenhuma peça de roupa preta), estica-se a massa com o rolo da massa (claro está) ao tamanho da tarteira.
Depois de bem calcada, corta-se o excesso de massa. Leva-se a base ao frigorífico enquanto se trabalha o recheio.
Recheio
3 gemas
1 lata de leite condensado
Raspa e sumo de 1 limão (médio)

Começa-se por misturar o leite condensado com o sumo e a raspa de limão (para a raspa, o ideal é utilizar um ralador fino, para que a raspa seja quase impercepível). Por fim, adiciona-se uma a uma a gemas, e envolve-se muito bem, para que o creme fique macio.
Leva-se ao lume por cerca de 5 minutos em lume brando.
Verter sobre a base fria, bater com a tarteira na bancada para soltar as bolhas ar (umas pancadinhas suaves para uma tarte delicada).
Levar ao forno, até que a massa esteja dourada.

Passamos agora à fase crítica, a fase de fazer nuvens (porque para mim merengue é o mais perto que estou de algum vez tocar numa fofa. branca nuvem)

Merengue
3 claras
4 colheres de sopa de açúcar fininho
Sumo de 1 limão (médio)

Bater as claras, com uma pitada de sal, em castelo. Sem parar de bater, adiciona-se então o sumo de limão e o açúcar, uma colher de cada vez, até se obter um creme forte, mas macio e brilhante.

Deixa-se a tarte arrefecer uns minutos antes de lhe colocar o merengue, para que a diferença de temperaturas não estrague a nossa camada branca e fofa.

Dispõe-se o merengue às colheradas, cobrindo todo o topo – para um efeito mais bonito, o que se quer é a imperfeição, por isso não alisem o merengue! Com a colher, façam covas no meio do creme, para criar diferentes relevos.
Leva-se ao forno até que o merengue fique dourado – e vejam como fica bem bonito com as colheradas incertas!

Deixar arrefecer cerca de 10 minutos antes de servir.

Esta tarte é uma explosão de sabor na nossa boca! O limão, presente no creme e no merengue, activa todos os outros sentidos – não é excessivo, é acido na medida certa. Pouco enjoativa, quere-se sempre mais uma fatia.

8 thoughts on “Tarde de Limão Merengada (1 ano depois)

  1. Esta tarde está um verdadeiro espetáculo!!!!! 😀 Uma receita totalmente à medida desta especial comemoração…e bem à medida da minha gula 😛 hehehe Um máximo Tekas, vou ficar com esta receita porque para mim, tudo que tenha limão, é sempre bem-vindo 😉 E, com este aspeto, é muito mais que bem-vinda 😀

  2. Espero que este blog tenha muitos mais anos! É o inicio de uma grande historia. O melhor disto é que as receitas parecerem óptimas e sabem muito melhor 😀 continua assim e deixa um legado na culinária! I'm so proud.

  3. E é tão bom ver-te crescer e ver que estás feliz!
    Parabéns pelo aniversário do teu blog, só hoje cá pude passar a desejar felicidades sempre.
    E esta tarde de limão, parece-me bem, soa a um lanche numa tarde calma, em que se come uma e outra fatia.
    Um beijinho.

  4. Diz à tua amiga Rita que a Avelã (eu, mas não lhe digas "eu", senão ela é capaz de achar estranho) a mandou criar um blog para partilhar receitas como a dessa tarde 😉 E já vai tarde! (ok, eu prometo que é a única piada sobre tardes do comentário 😛 )
    Quero ver o primeiro bolo de maçã revisitado também 😉 hahaha
    A tua massa de tartes é mesmo apetecível, parece incrivelmente manuseável! 🙂
    OHMEUDEUS, cortar os lados que ficam por fora da forma é TÃO agradável! 🙂
    (essa do não vestir roupa preta é uma dica bastante prática 😉
    Estou a ver umas dedadas gulosos nesse açúcar 😉 haha
    Parece mesmo… espera…
    O PACMAN!
    Meu Deus, tu matas-me com estas coisas! Admite que fazes de propósito!l
    Mas a sério, que bom aspeto, a combinação é explosiva… Deve ser mesmo deliciosa!
    (outro Pacman. A sério? Que infantilidade! 😛 )
    Essa penúltima foto parece o nariz de um pelicano, que gira 😀
    Não te vou dar os parabéns outra vez, que depois ficas mal habituada… Hahaha
    Espero que não seja demasiado tarde para comentar (eu sei, eu sei, mas não resisti!)

Responder a Inês Ginja Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *