Isto de ser saudável e comer courgettes à louca

Hoje é Sábado, dia em que não há actividade no blog, apenas umas sugestões de receitas pelo facebook e o mesmo nível de fotos pelo instagram.
O post inédito de hoje não é uma receita, uma sugestão, a review de um restaurante catita ou as fotos de um passeio. O post de hoje é sobre mim. E como sou uma gaja, um post sobre gajas para gajas – mas que os gajos podem ler também.
 
Optei por uma alimentação mais saudável, um estilo de vida e não uma dieta. Detesto dietas, nunca funcionaram comigo – andar a contar cereais e colheres de arroz ao almoço e pratos de sopa ao jantar não é para mim. Enerva-me, tira-me do sério e não me faz bem ao nervoso. Aliás, não faz bem a nada – a ansiedade de perder umas gramas é tanta que quando chega o desejado “dia da asneira”, nem asneirava com medo de estragar o que quer que se tenha perdido durante a semana.
Balelas, ao fim de 2 meses não perder uma grama é desolador, e pronto, começa-se a comer que nem uma perdida. Isto não só dá cabo do nosso físico como do nosso psicológico.
 
Por isso desistir das dietas – as prescritas pelos nutricionistas e as da melancia, do ananás e da fruta do diabo.
 
A pressão que sofremos é muita, e no meu caso abate-me muito. É que sou super negativa, tenho uma falta de amor-próprio que mata, e ver ai moçoilas lindas e maravilhosas a passear roupas giras na rua faz-me andar de queixo para baixo; e ver o meu reflexo no espelho e não gostar do que vejo deita igualmente por terra o meus anseios de andar de calções na rua.
 
Pode parecer uma conversa muita estúpida de como nos deixamos moldar pelos padrões de beleza e pela moda e bah bah bah, mas caramba, acho que estas preocupações tocam a todas – eu tenho amigas, e cada a uma à sua maneira tem inseguranças destas, que são fúteis e inúteis. Lá está, somos gajas!
 
Quando comecei este meu estilo de vida mais saudável comecei-o com o objectivo de vestir calções no verão – é um objectivo bem idiota pois é, mas era o que tinha planeado. Continuo sem vestir calções sem ser para ir à praia mas já vejo resultados.
 
Não sei se têm instagram – eu tenho e adoro, é uma forma tão simples de comunicar! – e sigo muitas pessoas que adoptaram estilos de vida mais saudáveis. Circulam muitas fotos de barriguinhas lisas e rabos empinados – nada contra mas Deus me livre e guarde! Tenho vergonha, já basta quem me vê na praia em bikini (é um sofrimento para ambas as partes, mas meus filhos não tenho culpa de ser branca cor de cadáver).
 
Posso dizer que isto de andar a comer courgette tem as suas vantagens e resultados – e falei de instagram porque publiquei esta foto por lá:

Podem reparar: na passaseira do corredor, num casaco às flores (giro), numa t-shirt branca, num anel no dedo, em muitas pulseiras de festivais e numa saia. Até podiam pensar – “olha ela agora publica os looks dela, qualquer dia vira blogger de moda!”
facto: adoro roupa, adoro andar às compras e conjugar tudo muito bem e com muito bom gosto, mas não dava para ser blogger de moda nunca na vida porque não tenho roupas suficientes para andar a fotografar modelitos lindos, e há dias em que não me sinto com confiança para vestir certas coisas.
 
Não, o que quero mostrar aparte do meu claro bom gosto (cof cof) é mesmo a saia. É uma saia normal, clássica, sem graça para alguns, mas simboliza uma grande vitória na minha vida – após 5 anos de a ter no armário, finalmente consigo vesti-la! Esta saia miserável que me foi oferecida nunca foi vestida ou levada à rua. E agora, finalmente, aconteceu. Serve-me!
 
Quando me dei conta deste facto pensei que: por um lado baseio a minha vida e pormenores fúteis, mas que por outro graças a Deus que sou tão teimosa. Fiz finca pé contra as massas e troquei-as por courgette, e aqui está no que deu.
Não é teimosia, é obstinação – estabeleci um objectivo, um princípio e mantive-me fiel a ele.
 
É motivo de orgulho para mim, pois só de mim depende mudar. É fútil e tudo mais, mas sou assim. Quem não gosta, a porta é ali.

6 thoughts on “Isto de ser saudável e comer courgettes à louca

  1. Percebo exactamente do que falas ! Também nunca fiz dietas, o meu motto é que só se vive uma vez e se cá andamos é para aproveitar as coisas boas destas vida ! (e por coisas boas i mean, comidas boas :P)

    Não num sentido de YOLO, vamos perder a cabeça e lutar pelo direto ao aumento do colesterol, mas no sentido de nunca me privar de nada e comer com satisfação !
    Até há uns aninhos também nunca usava calções ou saias – tolice ! Deixei de querer saber e agora tenho imensas saias, todos os tipos e (quase) todos os comprimentos – é livre, feminino e muito mais confortável (menos se tivermos de, por algum motivo, de nos sentar no chão xD)

    Eu acho que este estilo de vida mais saudável nos dá um enorme poder de escolha e muito mais liberdade para sair dessa "linha", porque ao sermos sistematicamente mais saudaveis, quando comemos um prato cheio de calorias, sabemos que podemos e que (já agora) se o vamos fazer, que seja numa coisa que valha a pena !

    Essa tem sido a grande mudança em mim, agora não como nada cheio de "açúcar" só porque sim, se e quando saio da linha saio por algo que vale a pena e isso é excepção e não a regra !

    Gostei muito deste post !
    Parabéns e VIVA AS COURGETES ! :'D

    1. Completamente – se vou comer um disparate, escolho bem o disparate que seja 🙂 Acho que disseste tudo, se bem que a minha confiança para utilizar coisas muito curtas é zero! Obrigada por teres vindo ler ahaha (não digas a ninguém que foste pressionada)

  2. Só tenho uma coisa para dizer…ou melhor, duas… a primeira é que és uma grande tola 😀 Mas eu compreendo-te, sofro um bocadinho do mesmo…e porquê?! Precisamente por isso, porque sou gaja!! 😉
    E em segundo lugar… Se eu tivesse uma pernaça dessas andava sempre, mas sempre de calções e saias (eu já ando, mas assim tirava os collants 😉 hehehehe) 😀

  3. Olha que há mesmo muita gente que gostava de ser branquinha 🙂 Influências da Disney haha 🙂
    Percebo o que dizes, essas dietas disto e daquilo nunca resultam 🙂
    Parabéns pela saia e por tudo o que ela simboliza 🙂

    1. Deste branco que não bronzeia e que fica vermelho – falam-me em alemão, holandês, inglês…
      Já me deixei de dietas, agora como o que me parece bem, com conta peso e medida – vegetais, frutas e uns pecados de vez em quando 😉
      Obrigada!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *